MTV

CONECTE-SE CONOSCO

Entrevistas

Confira curiosidades sobre o clipe de “Suas Curvas”, primeiro single do novo nome do trap

Published

on

Que produzir um clipe não é fácil a gente já sabe, mas vocês já pararam para pensar em tudo o que pode acontecer nos bastidores? MCharles, campeão nacional de batalha de MC’s e novo nome do trap, lançou no último dia 08 o seu primeiro single,  “Suas Curvas”. A faixa chegou acompanhada de um videoclipe (já disponível no YouTube) e aqui a gente traz algumas curiosidades e perrengues enfrentados até o último segundo de gravação.

“Suas Curvas” é um trap e carrega uma letra autoral, escrita pelo próprio MCharles e inspirada em vivências do mesmo. Com frases como “Ela é linda… Olha esse rebolado/ ela é tudo e mais um pouco”, na faixa o cantor canta sua paixão pela garota que ama e cada curva dela. Além disso, transmite o quanto deseja que fiquem juntos.

Acumulando hoje mais de 20 mil visualizações orgânicas em menos de uma semana, o clipe foi gravado no coração de São Paulo, na região do Vale do Anhangabaú. A produção dirigida por Rafael Carvalho traz MCharles inserido no ambiente paulista com um verdadeiro objetivo por trás e marca a estreia da carreira autoral do cantor.

Com muita história para contar sobre a produção do videoclipe, confira algumas curiosidades das gravações do videoclipe de “Suas Curvas”:

1 – “Suas Curvas” é o primeiro videoclipe autoral do cantor MCharles

O clipe da faixa “Suas Curvas” é a estreia do cantor na carreira autoral. Campeão Nacional de batalhas de MC’s, hoje MCharles vem conquistando seu espaço na música. A produção audiovisual já conta com mais de 20 mil visualizações. “Ter lançado meu próprio videoclipe foi realmente muito legal! Sentimento único e verdadeiro na qual me faz ficar bastante orgulho de mim mesmo e toda equipe envolvida”, afirma MCharles.

2 – O clipe foi gravado em São Paulo, na região do Vale do Anhangabaú.

O clipe mostra o MCharles inserido no ambiente Paulista, mostrando que ele já não é um artista regional, e sim, do Brasil Inteiro. É o Rap Cearense tomando o centro, a bolha de São Paulo. Muitas cenas do clipe foram gravadas em frente ao Teatro Municipal, no Vale do Anhangabaú.

3 – O clipe se passa como um sonho do cantor

A relação conflituosa retratada na produção audiovisual é reproduzida como se fosse um sonho da cabeça do cantor e compositor.

4 – Fotografia noturna

A ideia da estética com a fotografia noturna tem seu objetivo: representar a solidão. Com a letra e a idealização do clipe vir como o sonho do cantor, a “noite” chega como forma de demonstrar a solidão que o amor também pode trazer.

5 – 1ª bailarina contratada não dá retorno um dia antes da gravação

Claro que não faltaram perrengues, não é mesmo? Um dia antes da gravação do videoclipe a bailarina que inicialmente participaria do videoclipe não respondia mensagens e não atendia ligações. Desta forma, foi preciso correr atrás de outra bailarina para estar no lugar.

6 – Locação do roteiro original cai um dia antes da gravação

Não basta perder a bailarina, a locação do roteiro original do clipe também apresentou problemas e não seria possível efetuar a gravação por lá. Desta forma, deu-se início à uma nova procura de outra locação para a gravação do dia seguinte.

7 – Pré-produção do clipe realizada de 10h30 às 18h30 no dia da gravação

Devido ao sumiço da bailarina original e à locação inicial cair, a produção do cantor e compositor MCharles precisou reorganizar cada detalhe. “Alteramos todo o roteiro e a pré-produção do clipe aconteceu entre as 10:30h – 18:30h do dia do clipe. Fomos atrás arranjar bailarina, locação, figurino, make/hair… Improvisei uma equipe de produção com amigos que entraram em campo para ajudar a fechar tudo e acompanharam todo o processo. O clipe emendou das 18:30h às 05:30h”, afirma Gabriela Parente, empresária de MCharles.

8 – O tempo era pouco

Foi por um fio! O rooftop onde foi realizada a gravação, tinha limite de horário e a equipe e produção não conseguiram ficar prontos com tempo de sobra, deixando o tempo curto para finalizar o trabalho. “A gente só conseguiu ficar pronto para começar a gravar faltando 20 min para fechar a locação. Tivemos que ‘dar um jeitinho’ para segurar mais um tempo. Havíamos esquecido a caixinha de som quando fomos para o centro, teve queda… Foi tenso, mas acho que a gente conseguiu construir uma vibe legal, o que resultou em um clipe massa”, finaliza Gabriela.

Agora que você conferiu curiosidades sobre o clipe, corre lá no canal do youtube do cantor para assistir novamente a produção que é resultado de um árduo trabalho em equipe! Confira agora clicando aqui!

Publicidade
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entrevistas

Jovem escritor lança livro sobre Marilyn Monroe

Published

on

Lucas Martini

Marilyn Monroe sempre foi um ícone extremamente popular, não só no mundo da arte, mas também na literatura. Este ano Marilyn completaria 95 anos e para homenagear a atriz o escritor e professor Lucas Martini escreveu O pai de Marilyn Monroe, baseado em fatos da vida da diva do cinema. Com apenas 26 anos, Lucas Martini lançou seu primeiro livro que mistura ficção e realidade sobre a estrela de Hollywood.  Confira abaixo a entrevista inédita, no qual o autor revela suas inspirações para construir a narrativa de O pai de Marilyn Monroe.

Quando e como surgiu sua paixão pela escrita?
Lucas Martini:
 Como no caso da maioria dos escritores contemporâneos, surgiu na escola. Já gostava de ler antes, desde os nove anos, por incentivo do meu pai. No ensino médio, as redações e contos de diversos tipos que tínhamos que escrever nas aulas de Filosofia e Literatura me fizeram descobrir que, com um lápis e um papel, podemos criar cenários, histórias e personagens dos mais variados tipos. Essa descoberta me apaixonou e sigo me descobrindo como escritor até hoje.

Quais são os desafios de ser escritor no Brasil?
Lucas Martini: 
Quase a metade dos brasileiros não tem o costume de ler, e esse número aumenta a cada ano. Muitos dos meus conhecidos alegam não terem o hábito da leitura por falta de tempo ou simplesmente por não terem paciência. Por causa disso, a divulgação de um livro de boca em boca, ou pelas mídias sociais, torna-se bastante lenta e difícil. Felizmente tenho muitos amigos leitores, e recebo seu apoio tanto na divulgação quanto por incentivo.

Como surgiu a inspiração para escrever sobre Marilyn Monroe?
Lucas Martini: 
Amo filmes antigos desde criança, mas só fui me interessar por Marilyn Monroe no final da adolescência. Ao assistir ao que considero seu melhor filme, Quanto mais quente melhor, me apaixonei a ponto de querer saber mais sobre quem ela foi, não só em sua vida profissional, mas também pessoal.

Você fez alguma pesquisa para escrever o livro, qual?
Lucas Martini: 
Li algumas biografias da Marilyn e assisti a alguns documentários, mas se eu for apontar uma obra especial na qual me inspirei, com certeza será o livro A vida secreta de Marilyn Monroe, do biógrafo J. Randy Taraborrelli. A melhor biografia que já li, trata em detalhes a vida dessa mulher que foi tão importante para a indústria do cinema e da moda, e usa de bases confiáveis para desmentir muitos boatos sobre a vida pessoal da atriz, alguns dos quais são tomados pelas pessoas como verdade ainda hoje.

Em quais autores se inspirou para compor a obra?
Lucas Martini: 
O livro tem o mesmo clima que você encontra nos romances de mistério e espionagem da metade do século XX. Na época em que estava escrevendo a novela, lia autores como Ken Follett, Agatha Christie, Conan Doyle e Raymond Chandler. Este último me ajudou a seguir o estereótipo do detetive cínico e durão, mas diria que a presença da Marilyn suaviza o clima e torna o público-alvo mais abrangente.

Algum personagem do livro foi inspirado em sua vivência?
Lucas Martini: 
Na verdade, duas amigas minhas me pediram para ter uma participação na história, por isso as adicionei como personagens. As duas aparecem brevemente no primeiro capítulo, com outros nomes, claro. Como a maioria dos outros personagens foram pessoas que realmente existiram, procurei me manter fiel às suas personalidades reais o máximo possível.

Além desse lançamento, você pretende publicar outros livros ou uma continuação para a história?
Lucas Martini: 
É possível, dependendo da recepção do público. Um segundo livro, um romance, já está sendo escrito. Não teremos Marilyn neste, mas ainda assim não pretendo desistir de incluir referências históricas e até mesmo pessoas reais. Além disso, alguns contos com o mesmo protagonista de O pai de Marilyn Monroe podem ser encontrados na coletânea: Os lábios da morte e outras histórias, que está disponível gratuitamente no Wattpad.

Quanto tempo levou para escrevê-lo?
Lucas Martini: 
Originalmente O pai de Marilyn Monroe era um conto de quarenta páginas, que escrevi em um ano. Resolvi detalhar e aumentar a história, convertendo-a em uma novela. Isso levou mais um ano. Ao todo foram cerca de dois anos de muita pesquisa, leituras e ajustes, até resultar no livro que tenho hoje.

Você escreveu essa obra pensando em qual público-leitor?
Lucas Martini: 
A maioria dos elogios que recebi foi de pessoas que não sabiam muito sobre Marilyn Monroe, mas passaram a se interessar por ela após lerem o livro. Escrevi pensando em retratar a Marilyn não apenas como uma sex symbol, mas como a pessoa que acredito que ela era no íntimo, e isso é um lado dela desconhecido para muita gente, mesmo 59 anos após sua morte. O livro provavelmente agradará não só aos fãs, mas também a todos os que curtem uma boa história ambientada num inverno dos anos 50.

Continue lendo

Bombando!!!